A invenção de um líquido numa tarde de verão de 1886 viria a se tornar parte da história do mundo e das civilizações. Nada foi mais visionário do que a invenção tão despretenciosa, e quase por acaso, do farmacêutico Dr. John Styth Pemberton do que o famoso xarope. Vocês já devem ter ouvido esta legendária história na qual este farmacêutico vendia o xarope em uma farmácia na cidade de Atlanta (EUA), chamada "Jacobs' Pharmacy". O xarope era uma caramelada e colorida solução misturada com água para curar "todos os males da alma e do corpo", e era vendido a $5 cents o vidro. A Coca-Cola reconheceu o dia 08 de maio de 1886, como sendo o dia em que foi vendido o 1o. vidro. O Dr. John e seu guarda-livros Sr. Frank M. Robinson se associaram e criaram o logotipo da marca, patentearam o produto e o nome. Nascia assim a tão colecionada marca Coca-Cola, que foi impressa pela primeira vez em um fundo preto com letras vermelhas. Surgia também nessa época, através do visionário Dr. Pemberton, o primeiro slogan da Coca-Cola: "Drink Coca-Cola" - "Beba Coca-Cola". Nos anúncios divulgados nos jornais em 1886 aparecia a famosa frase: "Coca-Cola Delicious! Refreshing! Exularating! Invigorating!" - "Coca-Cola Deliciosa! Refrescante! Alegre! Tonificante!". Em 1891, o Dr. Pemberton enfrenta dificuldades financeiras e vende sua famosa e secreta fórmula para um outro farmacêutico, Asa Candler, que adquire assim os direitos para criar a "The Coca-Cola Company". Já em 1891 a Coca-Cola fazia uma campanha forte, oferecendo prêmios e brindes, que hoje alcançam valores inacreditáveis. Os displays publicitários, posters, cartazes, cartões, calendários, abajurs, canetas, etc, teriam começado a chegar para o público através das farmácias. Este produto refrescante que conseguiu atravessar todas as fronteiras de idiomas, religiões, culturas, etc., evoluiu em seu visual mantendo a tradição de quase dois séculos de sabor e qualidade. E hoje, mais do que um refrigerante, Coca-Cola se transformou em um estilo de vida, tomar Coca-Cola se tornou tão natural que é raro e estranho ouvir alguém dizer que não gosta deste refrigerante. No departamento de pesquisa ao Colecionador da Universidade da Pensilvânia (Philadelphia) existem estudos sobre itens colecionados e a ligação emocional com o colecionador, e o item Coca-Cola aparece em vários níveis de estudo por se tornado uns dos temas mais colecionados no mundo, mesmo aquele que não pode ser incluído na categoria de colecionador possui com certeza algum brinde relacionado a Coca-Cola. Devemos lembrar que a Coca-Cola já conseguia se difundir em diferentes pontos da Terra antes do advento da televisão, fenômeno este que aconteceu graças a uma forte campanha publicitária feita através de cartazes e anúncios em revistas, esquema seguido até hoje. Convém lembrar que os padrões técnicos de publicidade não só no Brasil como no mundo são relativamente recentes, quando surgiram as primeiras campanhas publicitárias da Coca-Cola, elas estavam indiretamente fazendo uma nova escola de propaganda e marketing. Durante as primeiras décadas deste século, o visual da publicidade da Coca-Cola evoluiu e houve uma tendência em mostrar pessoas saudáveis e felizes como modelo do consumidor da Coca-Cola. Este sabor e esta qualidade que atravessa mais de um século não depende somente de uma fórmula secreta e de uma bem sucedida campanha publicitária, mas também de outros fatores que dão um toque no sabor final do xarope do Dr. Pemberton, como: - água: a água mesmo que tratada pela municipalidade passa por quatro estágios de purificação, até chegar ao estágio final onde não tem impurezas, micoroorganismos ou gostos. - açúcar: o açúcar mesmo sendo da mais alta qualidade passa por um tratamento para eliminar qualquer cor ou sabor estranho. - garrafas: depois de lavadas mecanicamente, as garrafas passam por uma rigorosa inspeção visual. - tampinhas: as tampinhas também passam por um rigoroso controle, elas devem ser idênticas e perfeitas. - gás carbônico: o gás carbônico usado no refrigerante passa por inúmeros testes que asseguram sua qualidade. - concentrado: é uma mistura de vários ingredientes necessários à bebida. - fórmula secreta: o xarope original é fabricado em Atlanta (EUA) e distribuído por quase 200 países, somente dois homens no mundo inteiro conhecem a verdadeira fórmula da Coca-Cola. Um dos motivos que fez da Coca-Cola um dos mais fascinates temas a ser colecionados é a produçào de itens de produtos lançados em sua campanha publicitária. Sabemos que o objetivo final é vender cada vez mais refrigerante, mas é indiscutível o carinho da Coca-Cola e o seu profissionalismo ao lançar suas campanhas promocionais ou até mesmo fabricar peças que levam a marca Coca-Cola. As décadas de 80 e 90 viram nascer nos EUA o chamado "Coca-Cola Country", que são centenas de miniaturas que reproduzem momentos do cotidiano onde a Coca-Cola está presente desde o século passado. Estas miniaturas chegaram ao Brasil através de uma loja localizada em um grande shopping em São Paulo.

» A Coca-Cola presente na história das civilizações "Em todos os momentos que fazem a história você bebe Coca-Cola." Desde que os jogos Olímpicos tiveram início há 100 anos pins e bótons eram usados pelos atletas como forma de troca entre seleções. No primeiro ano dos jogos já havia um bóton oficial da Coca-Cola, o que demosntrou o interesse da empresa em participar do evento. O ano de 1921 marca a era da publicicade nos Jogos Olímpicos. Em 1928, a Coca-Cola entra definitivamente nas Olimpiadas. Utilizando-se da estratégia de relacionar os acontecimentos importantes do mundo à Coca-Cola, a empresa fez durante a 2a Guerra Mundial uma campanha publicitária voltada para união entre os povos, através da Coca-Cola, em línguas diferentes. Em 1945, o então presidente da Coca-Cola, Robert Woodruff faz uma campanha promocional - para incentivar os soldados que haviam participado da guerra - em que um homem fardado podia comprar uma guarrafa de Coca-Cola ao preço simbólico de $5 cents quando o preço regular era de $50 cents. No Brasil a publicidade da Coca-Cola ficava atenta aos acontecimentos e aos fatos que poderiam cada vez mais nacionalizar o consumo deste líquido, e nada mais nacional e popular do que o Carnaval e, assim a Coca-Cola abre alas no samba. A Coca-Cola promove em 1957 junto com o jornal "Última Hora" um concurso chamado "Tamborim de Ouro", a escola que apresentasse o melhor samba enredo tendo a Coca-Cola como tema seria a vencedora. Este concurso durou cinco anos e terminou para dar lugar a outras promoções da Coca-Cola junto ao carnaval. Hoje um troféu deste que era um tamborim imitando a tampinha de Coca-Cola estilizada é disputado entre leilões internacionais e pelos colecionadores brasileiros bem como as fotos originais e também os cartazes da época. **História da Coca-Cola retirada da revista: Collector's Magazine nº 2.

» A chegada no Brasil Os anos 40 foram cenário para o desembaqrque da Coca-Cola no Brasil, que chega simultâneamente em Recife e no Rio de Janeiro. Em Recife foram criadas pequenas fabriquetas apenas para servir aos soldados estrangeiros que ao tomar o líquido se sentiam em casa. A Coca-Cola juridicamente entra no Brasil no dia 15 de agosto de 1941. Em 02 de março de 1942 é instalada em São Cristóvão no Rio de Janeiro a primeira máquina de fabricação, assim como a primeira lavadeira de vasilhames. Em 18 de abril de 1942, ainda no Rio de Janeiro foram feitas as primeiras vendas, onde 1843 caixas foram vendidas batendo o recorde para a época. Nesta época a denominação da fábrica era "Coca-Cola Refrescos S/A". A Coca-Cola Refrescos S/A que batia este recorde de vendas contava na ocasião com uma frota de apenas 20 caminhões, alguns movidos a gasogênio e um quadro de funcionários que chegava a 200 pessoas. O jovem brasileiro dos anos 40 não era ligado em política; o cinema era a maior diversão e era também através das revistas que a publicidade da Coca-Cola encontrou seu maior veículo de propaganda. Em 1945, é aberta uma fuilial em São Paulo. E assim mesmo, era um momento em que o brasileiro não tinha hábito de tomar gelado, a Coca-Cola foi chegando de mansinho no Brasil e se expandindo para quase todo o território. Começa o sistema de franquias em 1945, que vem dando certo no Brasil até hoje. Através dele e com o nome de Coca-Cola Indústria Ltda., concede a grupos de empresários locais o direito de fabricar, engarrafar e distribuir o refrigerante. Quando a Coca-Cola chegou no Brasil apenas uma indústria produzia o gás carbônico, esta indústria foi fornecedora até 1947 quando chega ao Brasil a Liquid Carbonic. De 1945 até hoje, mais de 77 fábricas foram instaladas no país e a produção de brindes e peças para os colecionadores crescem paralelos a estas fábricas. As réplicas dos caminhões usados na década de 40 para o transporte da Coca-Cola que vem se tornar para o fabricante de brinquedo um filão de ouro, são feitas até hoje no Brasil e principalmente nos EUA que ocupa o 1o lugar na venda do líquido e o 1o no colecionismo. Brinquedos também foram criados nas décadas de 50 e 60 levando a marca Coca-Cola e até hoje são feitos em séries, catalogados e colecionados. Indo mais adiante na história da Coca-Cola no Brasil, chegamos à época da Cuba Libre e do Rock'n Roll nos anos 50 e 60 - a Juventude Transviada - desfrutava das maravilhas que viam do 1o Mundo entre elas a mais saborosa - a Coca-Cola - que misturada com rum burlava a vigilância dos mais "velhos" nas festinhas, e nascia assim a Cuba Libre. Na vitrola tocava a música "Drink Rum and Coca-Cola" e que fez história. Nesta época a Coca-Cola incentivava não só o consumo no balcão, mas principalmente o consumo em casa e nascia o vasilhame do lar, sobre uma intensa campanha publicitária onde os brindes e promoções proliferavam, e para deleite do colecionador desta época enriquecia as coleções com novos itens lançados quase que semanalmente. Em 1970 chega ao Brasil a Coca-Cola em post mix ou a vulgar Coca-Cola de máquina onde ela é feita na hora e servida em copo. A instalação do primeiro post mix no Brasil foi na casa Rick do Leblon que pertencia a Ricardo Amaral.

» A evolução das garrafas Garrafas Hutchinson As mais antigas garrafas usadas para Coca-Cola continham somente o xarope, e não a bebida gaseificada que nós conhecemos hoje. John Pemberton, quem inventou a Coca-Cola em 1886, usava garrafas lisas com rótulos de papel marcados "Coca-Cola Syrup and Extract" para distribuir o xarope para as fábricas de refrigerantes. Nas fábricas o xarope era misturado com água pura e servidos aos fregueses. No mesmo ponto, a água gaseificada era usado ao invés de água pura, e a bebida vitalizada tornara-se o sucesso das fábricas de refrigerantes. Então, em 1894 Joseph A. Biedenharn of Vicksburg, Mississipi, pôs a bebida gaseificada em garrafas, assim, as pessoas poderiam apreciar o refrigerante longe das fábricas de refrigerantes. As primeiras garrafas a conter Coca-Cola gaseificada foram as garrafas Biedenharn's soda water, marcadas "Biedenharn Candy Co., Vicksburg, Miss.", (figura 1) garrafas que ele tinha usado anteriormente para outras bebidas. Elas não eram marcadas com a marca registrada Coca-Cola. Essas garrafas de 178 ml usavam rolhas Hutchinson em vez de tampinhas conhecidas hoje. Em 1897, a Segunda engarrafadora a colocar Coca-Cola gaseificada em garrafas foi a Valdosta (Georgia) Bottling Works pertencente à R. H. Holmes e E. R. Barber. Suas garrafas de rolha Hutchinson eram marcadas "Valdosta Eletric Bottling Works, Valdosta, Ga.", e como as garrafas Biedenharn, não eram marcadas "Coca-Cola". Em 1899, Benjamin F. Thomas e Joseph B. Whitehead, dois advogados de Chattanooga, Tennessee, foram convencidos de que engarrafar Coca-Cola era uma grande idéia de negócios. Eles então, marcaram um encontro com Asa Candler, presidente da The Coca-Cola Company. Depois de estar garantido de que eles tomariam total responsabilidade das operações de engarrafamento, Candler deu a Thomas e Whitehead direitos exclusivos de engarrafar Coca-Cola em todo os Estados Unidos exceto para os territórios envolvidos por contratos pré-existentes nos Estados da Nova Inglaterra, Mississipi e Texas. As primeiras garrafas marcadas "Coca-Cola" a ser usado no novo negócio empreendedor foram as garrafas de rolha Hutchinson (figura 2). O uso das garrafas Hutchinson para Coca-Cola duraram pouco, e dentro de dois anos as mais seguras e baratas garrafas "Cork Crown" tornaram-se o padrão da indústria.

Garrafas "Cork Crown" Engarrafadoras logo optaram pelas novas garrafas "Cork Crown". As garrafas eram moldados à mão e à sopro, o vidro era misturado em pequenas porções, e o tamanho das garrafas não eram padronizadas. O resultado para os colecionadores de hoje é uma interminável variedades de garrafas parecidas em diferentes formas, cores e tamanhos. Hoje ainda há garrafas previamente desconhecidas circulando. Entretando, colecionadores geralmente separam garrafas velhas em duas principais categorias: garrafas âmbar (figura 3), limitando as cores do marrom escuro à cor do mel; e garrafas mais transparentes (figura 4) incluindo verde, azul, aqua e incolor. Essas velhas garrafas "Cork Crown" foram identificadas como contendo Coca-Cola por pelo menos uma das seguintes características: 1-) A marca registrada "Coca-Cola" era moldada no vidro; 2-) As tampinhas eram marcadas com a marca registrada e, 3-) Um rótulo impresso de papel em forma de losango era colado no lado da garrafa. Pelo menos nove versões diferentes do autêntico rótulo de papel tem sobrevivido, mas eles também têm sido intensamente reproduzidos, que o colecionador de hoje freqüentemente precisa consultar um pessoa experiente para dizer a diferença. Os compradores devem ser cuidadosos em pagar preços caros por garrafas velhas cujos rótulos reproduzidos foram colados. As garrafas primeiro apareceram nas propagandas normais da Coca-Cola em 1903 e eram garrafas transparentes e retas com rótulos de papel em forma de losango. Depois, a Companhia produziu freqüentemente duas versões de seus calendários anuais e outros itens publicitários: uma para fábricas de vendas e uma versão aproximadamente parecida com a garrafa reta com o rótulo em forma de losango. A Coca-Cola Company finalmente percebeu a necessidade de uma garrafa padronizada para Coca-Cola, principalmente para lutar contra os crescentes problemas de imitadores. B. F. Thomas a pôs em prática: "Nós precisamos de uma garrafa em que uma pessoa possa reconhecer a garrafa de Coca-Cola quando ela toca no escuro". Os fabricantes de garrafas foram convidados a enviar designs para aprovação, e uma comitiva de sete homens na Convenção Anual de Engarrafadores de Coca-Cola de 1916 fizeram a decisão final. O design vencedor teve sua inspiração na forma da vagem de cacau (que tinha sido confundido com a vagem da cocaína), e fora patenteado em 16 de Novembro de 1915. A cor do vidro escolhida foi uma variante clara do verde conhecida como "Verde Alemão" na época, mas agora é chamada de "Verde Georgia" em homenagem ao lar-origem da Coca-Cola. A garrafa protótipo (figura 5) tinha uma exagerada saliência no meio da garrafa, foi então modificada para se encaixar nos equipamentos automáticos de engarrafamento. Existem somente dois exemplares da garrafa protótipo, apesar de a garrafa protótipo ter sido reproduzida em 1971 e novamente em 1986 pela Companhia. Em 1920, a nova garrafa padronizada (figura 6) - chamada de garrafa Saia-Funil porque sua forma lembrava o vestido de moda da época - foi usada em todo os Estados Unidos. O dia 16 de Novembro de 1915 (data do patente) foi moldado na garrafa, bem abaixo da Coca-Cola Trademark. Logo após renovar o patente da garrafa em 1923 e registrar a forma da garrafa como um patente de design em 1937, a Companhia finalmente registrou a clássica garrafa Saia-Funil como marca registrada em 12 de Abril de 1960. Alguns colecionadores especializam-se nessas garrafas Saia-Funis e acumulam garrafas de qualquer estado e de todas as variações possíveis. O valor dessas garrafas depende inteiramente de sua raridade e condição em que se encontra. O modelo dessa garrafa persiste até hoje (figura 7), sofrendo alterações no tamanho, cor de fundo do logotipo, e em alguns países na própria escrita do logotipo (ex.: Tailândia, China, Israel, Tunísia, Marrocos, etc...)

Bibliografia: Coca-Cola: A collector's guide to new and vintage coca-cola memorabilia, pags: 39 à 43. Tradução ao pé da letra por: Marcio Shigueo Yamauti.

Durante muitos anos, a fórmula do refrigerante Coca-Cola tem sido um dos maiores segredos do mundo. Entretanto, através de várias fontes, algumas pessoas acabaram por "descobrir" uma parte dessa fórmula. Mas, até agora, o que não se sabe é a quantidade exata dos ingredientes dos ingredientes que entram na composição do tão falado 7X. Em um recipiente de volume equivalente a um galão entram: Açúcar: 2400 g em água o suficiente para se dissolver Caramelo: 37 g Cafeína: 3,1 g Ácido Fosfórico: 11 g Folha descocainizada de coca: 1,1 g Nozes de cola: 0,37 g


Misture em 4,9 g de álcool a 95%, adicione 2,7 g de água, deixe descansar por 24 horas a 60 graus F (16ºC). Uma camada turva se separará. Retire a parte clara do líquido e acrescente ao xarope. Acrescente água suficiente para fazer 1 galão de xarope. Misture uma onça de xarope com água gaseificada para obter um copo de 6,5 onças. Várias fontes alegam que o óleo de alfazema pode também fazer parte da fórmula. Embora essa fórmula possa aproximar-se muito da original, ela não confere com o depoimento feito sob juramento pelo Dr. Anton Amom, químico da Coca-Cola, em um caso judicial. Segundo ele, são necessárias 13,2 gramas de ácido fosfórico para fazer um galão de xarope, e não 11, e 1,86 grama de extrato de baunilha, e não 1,5 g. Disse Anton que a companhia acrescenta 91,99 gramas de "um caramelo comercial de estabilidade forte", ou muito mais do que as 37 gramas. Não obstante, os ingredientes da fórmula são provavelmente exatos. A começar com Asa Candler, ninguém na companhia se referia aos ingredientes pelo nome. Em vez disso, o açúcar era a Mercadoria#1; caramelo, Mercadoria#2; cafeína, Mercadoria#3; ácido fosfórico, Mercadoria#4; folha de coca e estrato de noz de cola, Mercadoria#5; mistura saborizante 7X, Mercadoria#7; baunilha, Mercadoria#8. Essa nomenclatura pegou, embora desde a era Candler os números 6 e 9 - talvez suco de lima e glicerina - tenham desaparecido, provavelmente abosorvidos na 7X ou em algum outro ingrediente. O único documento que descreve toda a receita do sucesso, o misterioso concentrado "7X" - os sete componentes usados por Pembertom no preparo de sua bebida - é mantido a sete chaves num cofre na sede da Companhia, em Atlanta.

» Coca-Cola lança um novo refrigerante A Coca-Cola está lançando em 49 cidades do Rio de Janeiro e de São Paulo a versão light do guraná Kuat. O novo refrigerante tem menos de três calorias por lata de 350 ml. De acordo com regras impostas pela matriz da Coca-Cola, em Atlanta (EUA), a empresa não revela o valor do investimento realizado no desenvolvimento do novo produto. O Kuat light estará disponível nas embalagens lata, 600 ml e PET 2 litros. O produto não contará com investimentos ou campanha publicitárias específicas. "Para 2000 pretendemos ter uma campanha agressiva de Kuat. A versão light participará como uma extensão de linha", afirmou Fernando Mazzarolo, diretor de marketing da Coca-Cola. Desde o lançamento de Kuat, em 1997, o guaraná abocanhou uma fatia de 2% de market share. O objetivo da empresa é, em três anos, chegar à liderança no segmento guaraná. Quanto ao guaraná Taí, também da Coca-Cola, a empresa afirma que não será descontinuado. "O Kuat e o Taí têm posicionamentos diferentes. O primeiro atua no segmento premium, enquanto o outro fica numa faixa mais baixo", esclareceu Mazzarolo. A garrafa de 2 litros do Kuat light será vendida a R$ 1,40.

A invenção de um líquido numa tarde de verão de 1886 viria a se tornar parte da história do mundo e das civilizações. Nada foi mais visionário do que a invenção tão despretensiosa, e quase por acaso, do farmacêutico Dr. John Styth Pemberton do que o famoso xarope. Vocês já devem ter ouvido esta legendária história na qual este farmacêutico vendia o xarope em uma farmácia na cidade de Atlanta (EUA), chamada "Jacobs' Pharmacy". O xarope era uma caramelada e colorida solução misturada com água para curar "todos os males da alma e do corpo", e era vendido a $5 cents o vidro. A Coca-Cola reconheceu o dia 08 de maio de 1886, como sendo o dia em que foi vendido o 1o. vidro. O Dr. John e seu guarda-livros Sr. Frank M. Robinson se associaram e criaram o logotipo da marca, patentearam o produto e o nome. Nascia assim a tão colecionada marca Coca-Cola, que foi impressa pela primeira vez em um fundo preto com letras vermelhas. Surgia também nessa época, através do visionário Dr. Pemberton, o primeiro slogan da Coca-Cola: "Drink Coca-Cola" - "Beba Coca-Cola". Nos anúncios divulgados nos jornais em 1886 aparecia a famosa frase: "Coca-Cola Delicious! Refreshing! Exularating! Invigorating!" - "Coca-Cola Deliciosa! Refrescante! Alegre! Tonificante!". Em 1891, o Dr. Pemberton enfrenta dificuldades financeiras e vende sua famosa e secreta fórmula para um outro farmacêutico, Asa Candler, que adquire assim os direitos para criar a "The Coca-Cola Company".

Já em 1891 a Coca-Cola fazia uma campanha forte, oferecendo prêmios e brindes, que hoje alcançam valores inacreditáveis. Os displays publicitários, posters, cartazes, cartões, calendários, abajurs, canetas, etc, teriam começado a chegar para o público através das farmácias. Este produto refrescante que conseguiu atravessar todas as fronteiras de idiomas, religiões, culturas, etc., evoluiu em seu visual mantendo a tradição de quase dois séculos de sabor e qualidade. E hoje, mais do que um refrigerante, Coca-Cola se transformou em um estilo de vida, tomar Coca-Cola se tornou tão natural que é raro e estranho ouvir alguém dizer que não gosta deste refrigerante. No departamento de pesquisa ao Colecionador da Universidade da Pensilvânia (Philadelphia) existem estudos sobre itens colecionados e a ligação emocional com o colecionador, e o item Coca-Cola aparece em vários níveis de estudo por se tornado uns dos temas mais colecionados no mundo, mesmo aquele que não pode ser incluído na categoria de colecionador possui com certeza algum brinde relacionado a Coca-Cola. Devemos lembrar que a Coca-Cola já conseguia se difundir em diferentes pontos da Terra antes do advento da televisão, fenômeno este que aconteceu graças a uma forte campanha publicitária feita através de cartazes e anúncios em revistas, esquema seguido até hoje. Convém lembrar que os padrões técnicos de publicidade não só no Brasil como no mundo são relativamente recentes, quando surgiram as primeiras campanhas publicitárias da Coca-Cola, elas estavam indiretamente fazendo uma nova escola de propaganda e marketing. Durante as primeiras décadas deste século, o visual da publicidade da Coca-Cola evoluiu e houve uma tendência em mostrar pessoas saudáveis e felizes como modelo do consumidor da Coca-Cola. Este sabor e esta qualidade que atravessa mais de um século não depende somente de uma fórmula secreta e de uma bem sucedida campanha publicitária, mas também de outros fatores que dão um toque no sabor final do xarope do Dr. Pemberton, como: - água: a água mesmo que tratada pela municipalidade passa por quatro estágios de purificação, até chegar ao estágio final onde não tem impurezas, micoroorganismos ou gostos. - açúcar: o açúcar mesmo sendo da mais alta qualidade passa por um tratamento para eliminar qualquer cor ou sabor estranho. - garrafas: depois de lavadas mecanicamente, as garrafas passam por uma rigorosa inspeção visual. - tampinhas: as tampinhas também passam por um rigoroso controle, elas devem ser idênticas e perfeitas. - gás carbônico: o gás carbônico usado no refrigerante passa por inúmeros testes que asseguram sua qualidade. - concentrado: é uma mistura de vários ingredientes necessários à bebida. - fórmula secreta: o xarope original é fabricado em Atlanta (EUA) e distribuído por quase 200 países, somente dois homens no mundo inteiro conhecem a verdadeira fórmula da Coca-Cola. Um dos motivos que fez da Coca-Cola um dos mais fascinates temas a ser colecionados é a produçào de itens de produtos lançados em sua campanha publicitária. Sabemos que o objetivo final é vender cada vez mais refrigerante, mas é indiscutível o carinho da Coca-Cola e o seu profissionalismo ao lançar suas campanhas promocionais ou até mesmo fabricar peças que levam a marca Coca-Cola. As décadas de 80 e 90 viram nascer nos EUA o chamado "Coca-Cola Country", que são centenas de miniaturas que reproduzem momentos do cotidiano onde a Coca-Cola está presente desde o século passado. Estas miniaturas chegaram ao Brasil através de uma loja localizada em um grande shopping em São Paulo.

» Réplicas de carrinhos da Coca-Cola A coleção de miniatura de carrinhos da Coca-Cola, onde muitos podem ser considerados verdadeiras maquetes, ocupa hoje um lugar de destaque entre os colecionadores. O colecionismo deste tema se expandiu tanto no mundo inteiro que foram criadas associações, clubes, empresas e muitos outros empreendimentos visando o colecionismo.

» A Coca-Cola presente na história das civilizações "Em todos os momentos que fazem a história você bebe Coca-Cola." Desde que os jogos Olímpicos tiveram início há 100 anos pins e bótons eram usados pelos atletas como forma de troca entre seleções. No primeiro ano dos jogos já havia um bóton oficial da Coca-Cola, o que demonstrou o interesse da empresa em participar do evento. O ano de 1921 marca a era da publicidade nos Jogos Olímpicos. Em 1928, a Coca-Cola entra definitivamente nas Olimpíadas. Utilizando-se da estratégia de relacionar os acontecimentos importantes do mundo à Coca-Cola, a empresa fez durante a 2a Guerra Mundial uma campanha publicitária voltada para união entre os povos, através da Coca-Cola, em línguas diferentes. Em 1945, o então presidente da Coca-Cola, Robert Woodruff faz uma campanha promocional - para incentivar os soldados que haviam participado da guerra - em que um homem fardado podia comprar uma guarrafa de Coca-Cola ao preço simbólico de $5 cents quando o preço regular era de $50 cents. No Brasil a publicidade da Coca-Cola ficava atenta aos acontecimentos e aos fatos que poderiam cada vez mais nacionalizar o consumo deste líquido, e nada mais nacional e popular do que o Carnaval e, assim a Coca-Cola abre alas no samba. A Coca-Cola promove em 1957 junto com o jornal "Última Hora" um concurso chamado "Tamborim de Ouro", a escola que apresentasse o melhor samba enredo tendo a Coca-Cola como tema seria a vencedora. Este concurso durou cinco anos e terminou para dar lugar a outras promoções da Coca-Cola junto ao carnaval. Hoje um troféu deste que era um tamborim imitando a tampinha de Coca-Cola estilizada é disputado entre leilões internacionais e pelos colecionadores brasileiros bem como as fotos originais e também os cartazes da época.

» O Colecionismo da Coca-Cola Os anos 40 foram cenário para o desembarque da Coca-Cola no Brasil, que chega simultaneamente em Recife e no Rio de Janeiro. Em Recife foram criadas pequenas fabriquetas apenas para servir aos soldados estrangeiros que ao tomar o líquido se sentiam em casa. A Coca-Cola juridicamente entra no Brasil no dia 15 de agosto de 1941. Em 02 de março de 1942 é instalada em São Cristóvão no Rio de Janeiro a primeira máquina de fabricação, assim como a primeira lavadeira de vasilhames. Em 18 de abril de 1942, ainda no Rio de Janeiro foram feitas as primeiras vendas, onde 1843 caixas foram vendidas batendo o recorde para a época. Nesta época a denominação da fábrica era "Coca-Cola Refrescos S/A". A Coca-Cola Refrescos S/A que batia este recorde de vendas contava na ocasião com uma frota de apenas 20 caminhões, alguns movidos a gasogênio e um quadro de funcionários que chegava a 200 pessoas. O jovem brasileiro dos anos 40 não era ligado em política; o cinema era a maior diversão e era também através das revistas que a publicidade da Coca-Cola encontrou seu maior veículo de propaganda. Em 1945, é aberta uma fuilial em São Paulo. E assim mesmo, era um momento em que o brasileiro não tinha hábito de tomar gelado, a Coca-Cola foi chegando de mansinho no Brasil e se expandindo para quase todo o território. Começa o sistema de franquias em 1945, que vem dando certo no Brasil até hoje. Através dele e com o nome de Coca-Cola Indústria Ltda., concede a grupos de empresários locais o direito de fabricar, engarrafar e distribuir o refrigerante. Quando a Coca-Cola chegou no Brasil apenas uma indústria produzia o gás carbônico, esta indústria foi fornecedora até 1947 quando chega ao Brasil a Liquid Carbonic.

» O Colecionismo da marca no Brasil Apesar da Coca-Cola ser amplamente comercializada, sua coleção não é muito difundida no Brasil. Em termos de vendagem do líquido, o Brasil ocupa o 3o lugar entre os 210 países consumidores, mas em termos de colecionismo os primeiros lugares estão com os Estados Unidos, Canadá, França e Alemanha. A posição do Brasil não está definida, mas grandes passos vêm sendo dados para um desenvolvimento natural do tema. A Coca-Cola vem sendo colecionada praticamente há um século, mas no Brasil o início das coleções coincide com a entrada da empresa no país, em 1942. Praticamente os itens da coca-Cola são os mesmos colecionados em todo o mundo, divergindo apenas em detalhes culturais que favorecem a criação de brindes, propagandas, slogans criados especificamente para um determinado país. No caso do Brasil os itens mais colecionados são: anúncios originais de época, garrafas, brindes, tampinhas, posters, engradados, réplicas de carrinhos e os famosos pins que a Coca-Cola lança sistematicamente. No colecionismo brasileiro existe uma peculiaridade entre a procura pelos colecionadores que são as letras originais das canções feitas por compositores famosos dedicadas a Coca-Cola.. Em 1945 cria-se na Rádio Nacional um programa denominado "Um milhão de melodias", transmitindo todas as 5as feiras no horário nobre das 20:25 horas; foi neste programa que nasceram não só famosas canções, como famosos comerciais e seus maravilhosos jingles. Para felicidade dos colecionadores brasileiros a publicidade da Coca-Cola não parava, os posters e os famosos slogans chegavam ao Brasil adaptados, é claro, a nossa realidade, sem esquecer nos outdoors impressos em litografia. Em 1952 um caminhãozinho Ford traz a Coca-Cola para ser vendida nas praias, pequenos cartazes são impressos para ajudar na venda, estes cartazes são procurados atualmente com avidez pelos colecionadores brasileiros, a réplica deste caminhãozinho foi feita por uma indústria de brinquedos em 1962 e custa hoje cerca de R$ 1.500,00. De 1945 até hoje, mais de 77 fábricas foram instaladas no país e a produção de brindes e peças para os colecionadores crescem paralelos a estas fábricas. As réplicas dos caminhões usados na década de 40 para o transporte da Coca-Cola que vem se tornar para o fabricante de brinquedo um filão de ouro, são feitas até hoje no Brasil e principalmente nos EUA que ocupa o 1o lugar na venda do líquido e o 1o no colecionismo. Brinquedos também foram criados nas décadas de 50 e 60 levando a marca Coca-Cola e até hoje são feitos em séries, catalogados e colecionados. Indo mais adiante na história da Coca-Cola no Brasil, chegamos à época da Cuba Libre e do Rock'n Roll nos anos 50 e 60 - a Juventude Transviada - desfrutava das maravilhas que viam do 1o Mundo entre elas a mais saborosa - a Coca-Cola - que misturada com rum burlava a vigilância dos mais "velhos" nas festinhas, e nascia assim a Cuba Libre. Na vitrola tocava a música "Drink Rum and Coca-Cola" e que fez história. Nesta época a Coca-Cola incentivava não só o consumo no balcão, mas principalmente o consumo em casa e nascia o vasilhame do lar, sobre uma intensa campanha publicitária onde os brindes e promoções proliferavam, e para deleite do colecionador desta época enriquecia as coleções com novos itens lançados quase que semanalmente. Em 1970 chega ao Brasil a Coca-Cola em post mix ou a vulgar Coca-Cola de máquina onde ela é feita na hora e servida em copo. A instalação do primeiro post mix no Brasil foi na casa Rick do Leblon que pertencia a Ricardo Amaral. Dentre os "mistérios" emocionais que formam o perfil do colecionador brasileiro sistemático ou ocasional se destacam dois itens como, por exemplo: as garrafinhas em miniaturas lançadas no mundo inteiro e a miniatura do engradado de madeira lançado no Brasil. Estes dois brindes compõem hoje um destaque em famosas coleções e também são colecionados por pessoas que nunca tiveram vontade de colecionar nada, mas não resistem às miniaturas que são normalmente encontradas, decorando salas de casas das mais variadas condições sócio-econômicas. Esta promoção era conhecida pelos slogans: "As tampinhas por garrafinhas".